De diário virtual a diário de reforma (Como tudo começou)

Durante muito tempo esse espaço ficou em secreto, aqui eu desabafava, estravasava... uma espécie de diário virtual (em tempos modernos caderninhos e lápis perderam a vez), guadadinho a sete chaves, como todo bom diário!

Mas com a mudança de estado, compra do apartamento e sua reforma, os amigos e família (que ficaram todos na terrinha), queriam saber, ver e acompanhar essa boa etapa das nossas vidas e resolvi usar esse espaço para isso, mostrar o dia a dia da pequena reforma que estamos fazendo.

Aqui continuo desabafando, estravasando... mas agora feliz e realizada por poder dividir com vocês a construção do meu jardim!

Ah! Caso deixe um comentário, saiba que amo respondê-los e geralmente o faço no espaço de comentário do próprio post, ok? Caso queira uma resposta mais específica por favor, deixe seu e-mail!
Entrem e fiquem à vontade!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Férias mais que especiais!

Essas férias foram especiais.
Não, nós não fizemos a tão sonhada viagem da filhota à Disney, muito menos a nossa tão sonhada viagem a dois à Europa, nem sequer saímos do Nordeste, na verdade nem fomos em lugares novos, mas sim, ela foi especial!

Pouco mais de 1 mês em nossa terra natal, coisa que nunca fizemos desde que de lá saímos. Mas essa também não é a razão que fez esses dias especiais, até porque por circunstâncias externas, não fiz metade do que planejava fazer, não fui em metade dos lugares que gostaria de ter ido e não vi nem metade de todos que queria ver. Mas ainda assim foram dias especiais!

Foram dias de primeira vez. Entrar em uma aeronave com as crianças e dar tchau ao marido que ficou. Sentir a angustiante sensação de perder a filha por míseros e eternos segundos. Vê-las cuidando do filhote de passarinho que caiu do ninho. A alegria de ver o marido chegar antes do dia previsto, só para fazer uma surpresa. Celebrar 20 anos juntos, a dois. Conhecer, depois de dois anos, Haba, o sobrinho de coração. Ver pela primeira vez o Ben, o outro sobrinho de coração e sua doçura. Receber a visita do amigo que veio de longe, mas que fez questão de nos ver. Dirigir na estrada a 100km/h mesmo em pânico: Superação. Ser completamente encharcada de baba pela sobrinha que se delicia chupando dedo em meu colo. A alegria de encontrar ao acaso amigos queridos, depois de já estar conformada de que iria embora sem encontrá-los. Poder ver de perto um dos sonhos da irmã se concretizando. Conhecer pessoas especiais, que com certeza ficarão no coração. E o principal: estar com a família, com muitos deles, quase todos os dias, laços construídos, laços fortalecidos, laços de amor que encheram nosso coração da certeza de que não estamos sós.

Depois de muito tempo nos sentimos novamente parte. Depois de muito tempo ali era o nosso lugar!
Sim, essas foram realmente férias especiais!


terça-feira, 11 de novembro de 2014

Nosso antes e depois na revista Minha Casa!!!

Essa semana fiquei muito feliz! Já havia tido alguns projetos publicados em sites de decoração, a maioria deles foi publicada no site casa.abril.com.br da Editora Abril, e esse mês de novembro saiu a minha primeira publicação impressa, viva!!

Lembram do projeto de antes e depois da sala de um casal que fiz ano passado e postei em fevereiro desse ano aqui no blog? Se não lembram ou não viram, olha ele AQUI. Pois bem, a redação da revista Minha Casa da Editora Abril entrou em contato comigo em meados desse ano para fazer a reportagem do Antes e Depois dele.


Foram alguns meses de conversa, manda foto do antes, vai na casa da cliente fotografar o depois com fotógrafo, manda e-mail pra cá, manda e-mail pra lá e finalmente na edição de novembro, eis que saiu a matéria!!!



Se você tiver a revista, abre na página 78. E se não tiver, passa na banca mais próxima e dá uma olhadinha, tá? A edição completa está bem legal!

quinta-feira, 5 de junho de 2014

O arraiá da Nena!

Prometi esse post há um ano atrás! Agora ele saiu rsss

Em junho de 2013, minha pequena completou 1 ano. Pensamos muito se iríamos fazer a festinha, dependia de grana, precisávamos saber se ela curtiria, se já estaria andando, se faríamos onde moramos ou na nossa terra natal...
Enfim, era tanto SE, que me apeguei em duas coisas: vi que ela adorava uma festa (curtia muito em todas que ia) e nós tínhamos que celebrar sim, pois temos ela aqui com a gente, saudável e feliz e isso era uma vitória!
Então, às pressas, para variar, lá fomos nós organizar o Arraiá da Nena. Sim, arraiá porque amo festa junina, suas comidas, suas musicas. Porque há muito não curtia um forrozinho. Porque vivemos em uma cidade que respira forró e arraiá em junho e porque ela nasceu em meio às festas dessa época. Então, não me restava opção: Vamos ao Arraiá!!

A festa foi no salão de festas do condomínio, para poucos amigos e alguns familiares que vieram só para comemorar essa data com a gente. Foi tudo simples, tentamos misturar um pouco da decoração caipira com a delicadeza da idade. Colocamos literalmente a mão na massa em quase tudo e no dia da montagem tinha pai, irmão, amigo do irmão, amigas minhas, mãe, irmã... todos empenhados em deixar o Arraiá de Nena bem bonitinho.


Para comer muito milho cozido, canjica (a nordestina, o que o sul e sudeste chamam de curau), munguzá (o que o sul e sudeste chamam de canjica), vaca atolada (carne seca com macaxeira), bobó de camarão, mingau de milho, pé-de-moleque, cocada, doce de banana, pipoca, cachorro quente, paçoca. Comidas bem tradicionais dessa época do ano. É claro que também tinha coxinha, pãozinho e brigadeiro, mas o que a turma gostou mesmo foram das comidinhas delícia!


Para economizar, usamos duas mesas quadradas (daquelas de plástico mesmo) para a mesa central.
No fundo da mesa havia uma janela, fizemos um painel de juta, com apliques de leques em papel carmem colorido e para arrematar duas toalhas de mesa xadrez rosa ( as mesmas que cobriam as mesas) viraram cortinas. As topiarias e o bolo de pipoca foram feitos por mim e minha mãe. Ah! O jarrinho das topiarias são caixas de leite UHT forradas de juta.
Os toppers de leque e a personalização dos itens foram feitos por Vika Matos do Artes da Vika


Na mesa do cachorro quente e pipoca, a decoração ficou por conta de panelas de barro, garrafas de vidro com flores de tecido feitas por nós e mini margaridas naturais.
Os caixotes do chá são caixas de papelão forradas com juta e toalhas de mesa xadrez. Nelas colocamos cestinhas de palha com balas, pirulitos, paçocas... tudo ao alcance da meninada. Os pirulitos de chocolate foram feitos por Elisandra Santana do Bolos com Arte.
A mesa dos sucos foi uma diversão para a garotada! Elas se serviam sozinhas e curtiram muito tudo isso!


O bolo foi fake, de pipoca. Deu um trabalho absurdo fazer. Pistola quebrou, pipoca murchou, cansaço chegou. Mas no fim deu tudo certo e ficou muito bacana. Ah, mas e aí? Nada de bolo para comer? Claro que teve! Bolo de milho, de tapioca, de chocolate, brownie. Hum!!!



Nesse cantinho caipira colocamos a mesa da nossa varanda montada com pratos e canecas esmaltados. Pegamos a caixa de remédio da casa (sim, essa caixa xadrez rosinha é onde guardamos os medicamentos rss) e a cesta de vime (herança da bisa, onde ficaram as lembrancinhas de pegadores porta recados). Arrematamos com o violãozinho de brinquedo, garrafas, flores e pronto!
Ah! Nas flâmulas de juta e fitas de cetim (bem comuns para enfeitar no Nordeste), fizemos molduras de tecido e colocamos as fotos da pequena de uma sessão feita pela titia.


Na época em nem conhecia tanto sobre a febre do photobooth, mas acabei criando um cantinho para isso. O que teve de gente sentando nesse cantinho para fotografar!! kkk
Novamente, itens de casa reaproveitados! Banco da varanda, almofadas e boneca do quarto da pequena, cabideiro e casinha de bonecas do quarto da mais velha.
No cabideiro, as sacolinhas de palha de lembrancinhas das crianças. Na casinha, potinhos com amendoim japonês salgado e colorido.



Elaboramos 2 convites o virtual, para aqueles que estavam longe, ou que não teríamos como entregar pessoalmente. E o convite oficial em formato de sanfona, fofurinha que deu um trabalhão!!
Pedimos para que todos viessem à caráter e fomos prontamente atendidos. De adulto à criança, foi um desfile lindo de florais, xadrezes e muitas cores! Arte digital da Artes da Vika.

O centro das mesas foi o chapéu de palha caipira cheio de amendoim cozido, uma paixão quase unânime na região Nordeste. E impossível comer um só! A turma aprovou e ainda usou o chapéu para levar docinhos e comidinhas para casa!!

Por fim, cá estamos nós! Eu, filhota mais velha e maridão com aniversariante no colo. Felizes com o resultado da festinha!

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Dieta detox da Rede

Dia desses em que não queria falar com ninguém e me desligar do mundo, desliguei o celular e computador. Uma espécie de dia D, dieta detox da internet. Não queria conversar com ninguém e nem ouvir o bip de mais uma mensagem chegando, não queria colocar fotos, nem expor o meio dia. Apenas ficar aqui eu e eu mesma. E a experiência foi incrível! 24 horas sem conexão com a grande rede, 24 horas de conexão com a vida real.

Nesse dia, pude sentar ao lado da minha filhota e assistir pela milionésima vez um episódio da Peppa. Eu já sabia todas as falas de cor, pois a ouvia assistir sempre, às vezes até  sentava com ela, mas com o celular na mão, tipo um olho na tela outro na telinha. Dessa vez foi diferente, vi as cores, vi os detalhes de cada personagem, vi até que todas as casas são iguais, apenas mudando as cores!! rss E tudo com a pequena abraçadinha a mim. Nesse dia, me dediquei a fazer uma comidinha gostosa, sem correria por ter perdido alguns minutos no PC antes de ir para a cozinha. Pude caprichar, e recebi elogios na hora do almoço.
Nesse dia, nem mesmo a filha mais velha, já com a síndrome da conexão (não, ela não acessa as redes sociais ainda, mais ama jogar na internet), brincou com alguns de seus brinquedos esquecidos no meio da bagunça do quarto de brinquedos. Depois desceu para o parquinho com a turminha, e sim... nesse dia desci também com a caçula que adora um "paqui" e vai menos do que gostaria e deveria!
Nesse dia a vizinha que me manda dezenas de mensagens no watsapp me interfonou mais, muito mais! A conversa foi ao pé do interfone. Nesse dia botei ordem no guarda-roupa cheio de roupas que não cabiam mais, 2 grandes sacolas de roupas e sapatos para doação suirgiram, por causa desse dia alguém ganhará o que vestir!
Nesse dia minha mãe e marido quase tiveram um troço, porque não conseguiam falar comigo em casa (nenhuma emergência), mas com a facilidade da comunicação, conversas triviais, acabamos nos falando diariamente nem que seja por mensagens. Mas cadê essa menina? Sumiu do mapa!!
Não, não sumi, estava no mesmo lugar, fazendo as  mesmas coisas... mas desconectada da rede!

Não sou contra a internet. Seria até irônico da minha parte afirmar o contrário já que mantenho 2 blogs, 2 páginas no Facebook, Twiter, Instagram, Watsapp. A internet é fonte de conhecimento, fonte de informação rápida. Através dela reencontrei pessoas queridas do meu passado, através dela me comunico com quem está longe, através dela desabafo, faço novas amizades que ultrapassam os limites da tela, através dela consigo matar a saudade. E que maravilha isso tudo!! A realidade está aí, não podemos ser inimigos da rede, essa invenção maravilhosa faz parte da nossa vida e não há como negar. Mas, quanto tempo do nosso dia ofertamos a ela, quantas pessoas no nosso dia negligenciamos por ela, quantas coisas deixamos de fazer?
Odiava quando estava no meio de pessoas e as via com seus aparelhinhos na mão, olhinhos vidrados, alguns até conversando com quem também estava ali, mas através da internet, como se estivessem a quilômetros de distância. Odiava estar em um jantar com a família e ver marido ou filha acompanhados de seus dispositivos móveis de acesso à rede. Sem trocar uma palavra, vivendo um momento virtual. E por muitas vezes já me peguei fazendo isso, involuntariamente. É hora de acordar!

Minha experiência foi válida. Mais que isso, foi enriquecedora! Mas a desintoxicação vai além. É um processo demorado, dolorido... mas possível.
Hoje pela manhã, assisti a esse vídeo muito bacana sobre isso e resolvi compartilhar com vocês. Espero que gostem.


quarta-feira, 9 de abril de 2014

E os céus declaram a Tua Glória!

Durante a madrugada desta noite, aconteceu na cidade onde vivo uma linda tempestade de raios. O que não  é raríssimo, mas também não é lá muito comum por aqui.
Eu, como apaixonada pela natureza, perdi o sono e fiquei contemplando da varanda aquele festival. Tudo que vi me encheu de inspiração e respeito por Deus, pela sua criação e escrevi o que sentia e via naquele momento em minha página do Facebook.
O que eu não sabia é que humildes devaneios seriam apreciados por tanta gente rss
Isso me deixou feliz, por saber que meus pensamentos de alguma forma inspiram outras pessoas. E como nem todos que passam por aqui estão adicionados ao meu perfil no Facebook, resolvi copiar o texto aqui também. Espero que gostem!

"Linda, sedutora e aterrorizante a tempestade de raios nessa madrugada. Metade do bairro às escuras. Eu, assistindo da varanda o baile de luzes no céu enquanto cachorros latem e crianças choram ao som dos trovões. De repente uma luz forte, próxima. "Quase dava pra tocar"! Um raio firme, imponente, rasga o céu e encontra a terra através do para-raio de um prédio vizinho. Clarão que transformou escuridão em dia. Fico esperando quase com o coração na mão e ele chega. Um barulho que faz tremer o chão debaixo dos meus pés, dispara alarmes de carro e logo em seguida traz a escuridão ao outro pedaço do bairro. Agora, o céu, aos poucos, deixa cair o peso das águas responsáveis por tamanha beleza assustadora. E os céus declaram a Tua Glória, Senhor!"

foto de internet


Um beijo grande!

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Projeto: Antes e depois

Raramente posto aqui trabalhos que tenha feito, com exceção do meu apê, claro! Se quiser conhecer alguns trabalhos meus, tem fotos deles no meu portifólio no Picasa, é clicar AQUI! Mas ano passado fiz um trabalho que gostei muito. Não que ele tenha sido o meu melhor, mas por ter sido bastante desafiador para mim.
Explico:
Quando fui pela primeira vez na casa da cliente já existia lá a mesa e cadeiras de jantar, o sofá, as poltronas e uma parte do rack da TV. E, como eram novos, eles queriam que ficassem no projeto final. Até aí tudo bem, mas a questão é que o estilo desses móveis passa longe do meu estilo pessoal. São móveis bons, bonitos e de excelente qualidade, mas que particularmente não me encantam. E aí? Como fazer um projeto aproveitando esses móveis?
Confesso que a gente tende a só querer trabalhar com projetos de pessoas que compartilham do mesmo estilo que nós. Mas na maioria das vezes não é bem por aí que a coisa acontece e a gente tem que desenvolver um projeto bom, independente do que queremos ou achamos!

Pensei, pensei... trata-se de um casal jovem, ainda sem filhos e com o apê novinho. Queria fazer algo bem bacana e o mais importante, que tivesse o meu toque, mas que fosse principalmente a cara deles ! No fim, o resultado me agradou muito e a eles também, e isso me deixou muito feliz!!








Coloquei aqui algumas fotos do antes e depois:

O apê é térreo com jardim privativo, então onde deveria ser a varanda fizemos armários de apoio para dias festivos.

O sofá, a cadeira do escritório já existiam, assim como o rack da tv, que sofreu repaginada com troca de revestimento e ampliação e painel para TV.

A sala agora conta com ambiente de jantar, home theater, home office e mais um ambiente de bate papo que também serve de apoio para as sessões de cinema.

A área do jantar recebeu nova cor nas paredes, assim como papel de parede e quadros.

O rack, antes apenas um móvel baixo, recebeu novo revestimento, painel para tv com prateleira e móvel anexo para computador.

O home office, que antes funcionava no segundo quarto, passou a ocupar uma área tida como inutilizada. Com ecrivaninha, estante para livros e móvel para computador.

Ainda estão faltando objetos decorativos, almofadas, plantas... Mas ficou bem legal, né gente? O que acharam?

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Individualidade mas nem tanto!

Semana passada estava na sala e filhota assistindo um dos seus "nunca enjoáveis" seriados do canal da Disney. Vez ou outra assisto com ela e esse era um desses dias. De repente uma das filhas pré-adolescente do casal protagonista pergunta à mãe:  "Mãe, posso pintar uma mecha do cabelo de roxo?" E a mãe, assustada, quer saber a razão pela qual ela quer fazer isso, prontamente e com toda naturalidade do mundo a filha larga: "Pra expressar a minha individualidade, está todo mundo fazendo isso!"


Então tá, né! Ficar igual porque todo mundo tá fazendo pra ser diferente pode!! Mas, se pararmos pra pensar é bem por aí mesmo que costumamos agir. Buscamos novidades, coisas bacanas, legais, para sermos diferentes, mas no fundo o que queremos é justamente o contrário, queremos sim ser iguais! Porque o igual está inserido, e o ser humano quer estar inserido, mesmo no diferente.

Filosofias à parte, dando uma lida básica em um dos blogs que sigo (o dcoração.com), encontrei algo muito bacana que retrata de forma bem humorada exatamente isso. Não pude deixar de fazer a associação com o episódio da série e trouxe aqui para vocês verem.

Se não conseguir ler, dá uma clicada na imagem para ampliá-la.
Imagem retirada do blog dcoração.com

Pois bem, é ou não é? Bem verdade que não tenho nenhum item sequer dessa lista, mas MORRO de vontade de ter vários e não os tive por pura falta de oportunidade de adquiri-los ou encontrá-los.
Mas espera, tem um sim que já possuo: A geladeira! É velha mas não tanto, herdei do meu pai, não funciona direito e logo, logo receberá adesivagem verde piscina, bem retrô.